Tarde Pensada








Ela observa as montanhas imóveis e pensa que as montanhas estão.
A floresta de pinheiros está. Como soldados imóveis, alinhados para uma batalha, os jovens pinheiros opõem à luz do ocidente a opacidade deles, a
Abstrata. Voam os pensamentos dela
Para os ossos do vitimado? Os da nuca ossos entre sangue
Derramado, enegrecida tinta. Que é um morto?
A tarde está. Na gaiola do grilo, a tarde cantante é pensada como estrutura coisa
Da gaiola, a
Abstrata. Pensada como rede no
Ar.
Pomar?

27/6/2011

(acontecimentos raros) g







D’Artagnan caminhava na avenida pública com um penteado de missão secreta. Na hipótese platónica tratou-se de uma sombra, nem sequer funesta sombra, mas a intransigente.

15/6/2011



Pausa. Paz







Noiva rechonchuda puxa contra o corpo noivo para a fotografia com energia. Dois corvos no areal levantam para um voo curto. Avioneta com os monótonos motores. Vento amável. Sol, adolescentes dentro do contentor. Pausa. Não compreender. Paz.

14/6/2011

(O Grande Palmípede) XXXI








Agora sabes quão frágeis são os contrafortes da muralha, mas não frágeis aos danos da estrela, aos da furiosa tempestade, a electromagnética, aos dum inimigo de outrora com sua artilharia naval e os duros golpes de Ares.

Agora, viajante, sabes, mas mal, o que no interior da construção é vulnerável a Solidão Mais-Que-Perfeita e a Inseto 
O Miriápode (anelídeo?).

Mas vencerão Melpômene e Tália?
Com Lâmina?
Com o Duplo? 
Com Bruma e a Mãe Desaparecida?
Com a Montagem e Transcrições? 

Como chamar Relógio, mas como não chamar Relógio a este Atractor de Amor, o de lança súbita contra o Escândalo, S. Jorge contra Drago alcoólico, derrubando-o em sua baba dum incompreensível destino de brigão?

Duende, o Domador de Lobos, o Geómetra.

Na noite, Filipe II é o Anfíbio.

Vê, viajante.

Relógio?


11/6/2011

(acontecimentos raros) g






Depois de uma caldeirada de raia, Pantagruel atravessou a ponte sobre o rio Sorria.

10/6/2011

(O Grande Palmípede) XXX







Invoca o mareante, esse que lida com abismos, invoca-o viajante.
Dobra-te para o pó com a tua argúcia, dobra-te com a vencida.
A noite é uma taça derramando frutos de sombra, ela a venenosa têmpera de um velho deus caído, ela é o agrimensor, o Cego. Conheces os que sob a campânula fazem planos jovens, conheces o geómetra? 
Oh!

9/6/2011

Voo da Ave







«Sou um dos hadrões», murmurou, enquanto enchia o peito de ar, retesando os músculos dos braços. Depois levantou voo, Ave da Melancolia, e surgiu a palavra ontogénese.

1/6/2011